A ordem das palavras em japonês

Saiba agora a ordem das palavras em japonês e não se confunda mais!

Na língua japonesa, saber o básico sobre a criação de frases ou sentenças nos permite adquirir maior fluência, criando nossas próprias frases de acordo com as necessidades. Para isso, é necessário saber organizar as palavras e usar os recursos gramaticais corretos para poder expressar o que desejamos nos fazendo entender para qualquer japonês nativo.

A ordem das palavras em japonês

Se não conseguirmos fazer isso, será difícil se expressar, comunicar o que desejamos e, ao mesmo tempo, impossível de entender qualquer mensagem fornecida em japonês. Então, o primeiro passo para conhecer um idioma, é saber como as palavras são organizadas nas sentenças.

Mas o que é uma sentença?

Uma frase, ou sentença, é simplesmente uma seqüência organizada de palavras. Essa mesma seqüência de palavras, é quem nos permite realizar afirmações, fazer perguntas, expressar pensamentos, fazer um pedido, mostrar nossa opinião e etc.

Na língua portuguesa, uma frase geralmente inicia com uma letra maiúscula e termina com um ponto, seja ele um ponto final, exclamação, interrogação ou qualquer outro sinal usado para marcar o fim da frase.

No caso da língua japonesa, como não existem letras maiúsculas ou minúsculas, o início de uma frase não possui indicação nenhuma. Em textos mais comuns, os parágrafos são marcados por um espaço entre eles, e algumas vezes, também possuem recuos de linha.

Em japonês, o final de uma sentença é determinado pelo uso do símbolo “。” ou simplesmente um “.” igual ao nosso ponto final.

No “caso das exclamações e interrogações, não existem marcações específicas semelhante aos nossos “?” e “!”. Em japonês, esses símbolos são opcionais e nem sempre são usados.

Exemplos:

たかなさんは日本人です。 ( Senhor Tanaka japonês ser. )

アマンダちゃんはアメリカ人ですか? (Senhorita Amanda americana ser. )

日本語が話せませんよ! ( Japonês não poder falar! )

Comparando sentenças em português e japonês

Em português, todas as frases comuns podem ser divididas em três partes: sujeito, verbo e objeto. Além disso, na língua portuguesa, o mais lógico é organizar uma sentença de modo que o sujeito seja o primeiro item da frase, em seguida o verbo e, por último, o objeto ou predicado.

Exemplos:

Sujeito + verbo + objeto

Eu como sushi todos os dias

Sara usa óculos vermelhos

Marcos tem um carro azul

Segundo a gramática portuguesa, uma sentença ainda pode ser dividida em duas partes: sujeito e predicado. Acho que esta é a divisão mais comum de frases em português.

O sujeito é a parte principal da frase. Geralmente ele é composto por um substantivo ou pronome. Além disso, ele é o primeiro item encontrado numa frase comum.

O predicado é tudo que está sendo dito, ou mencionado, sobre o sujeito. Geralmente o predicado é composto por um verbo e algum complemento que, juntos, expressam algo importante sobre o sujeito da frase.

Na língua japonesa, as frases são organizadas de modo um pouco diferente. Em sentenças simples, encontramos primeiro o sujeito da frase, em seguida o objeto e por último o verbo. Dessa forma, podemos notar uma leve inversão na seqüência básica das frases em japonês, formando o que chamamos de seqüência SOV (sujeito + objeto + verbo).

Exemplos:

Sujeito + objeto + verbo

私は毎日すしを食べる。( Eu todos os dias sushi comer. )

お母さんがパンを買いました。 ( Minha mãe pão comprou. )

彼女は映画を見ました。 ( Ela filme ver. )

Outras observações sobre as frases em japonês

Existem outras observações importantes sobre a organização e composição das frases em japonês. É necessário ter essas peculiaridades em mente sempre que for falar ou escrever em japonês.

1. No final das frases, nem sempre encontramos um verbo propriamente dito, mas uma espécie de verbo auxiliar, ou auxiliar de polidez (formalidade), que assume o sentido de um verbo.

Exemplo:

山田さんは日本人です

です é um auxiliar de polidez que assume o sentido de um verbo. No nosso caso, assume o sentido do verbo ser em japonês.

2. A ordem lógica das palavras não é rígida para elementos que não fazem parte da seqüência SOV (Sujeito + objeto + verbo), como advérbios de tempo ou lugar. Em casos assim, estes elementos podem aparecer antes ou logo após o sujeito das frases.

3. Modificadores ou qualificadores como adjetivos, sempre precedem o elemento modificado. Sendo assim, os adjetivos sempre aparecem antes dos substantivos, aos quais atribuem uma qualidade.

Exemplos:

彼は毎日家で新聞を沢山読みます。

新聞はテーブルの上にがあります。

彼女は本屋で本を買いました。

As sentenças incompletas

Tanto em japonês quanto em qualquer outro idioma no mundo, as frases tendem a usar elementos implícitos. Ou seja, é possível entender uma sem usar o contexto dela como base ou complemento para a mensagem transmitida.

Nas frases em japonês, geralmente omiti-se o sujeito, ou o tema central da sentença, nas situações onde esse elemento já foi claramente mencionado ou é muito óbvio. Por exemplo:

これは何ですか。

これは本です。( Resposta gramaticalmente esperada )

本です。 (Resposta mais usada)

Outra forma comum de sentenças incompletas é a omissão do pronome “você”. Os japoneses preferem omitir este pronome porque, mesmo sem ele, as frases são claramente entendidas pelo contexto. Além disso, para os japoneses, o pronome “você” ou “tu” não é algo muito educado de se usar.

あなたは何を買いましたか。 (Frase gramaticalmente esperada)

何を買いましたか。 (Frase mais usada)

Apesar de ser nomeado como sentenças incompletas, para os japoneses elas são completas. A filosofia deles parece ser a do ditado: “Para um bom entendedor, meia palavra (ou frase) já basta.”.

Deixe um comentário